Social Media: 5 tendências para 2014

socialmedia5tendencias_topo

Especialistas comentam o que vem pela frente no mundo do social business e de empresas como Facebook, Twitter e Google+

De um passo em falso na rede social (como o caso do usuário que pagou pagou mil dólares para reclamar da British Airways no Twitter) a um IPO  proeminente, 2013 foi um ano cheio de altos e baixos para a social media. De acordo com Brian Solis, analista principal da Altimeter Group, este ano marcou a passagem da mídia social para o mainstream.

“A mídia social passou de um modismo ou de algo que vai desaparecer tão cedo”, disse ele. “A mídia social é agora parte do nosso tecido social, como telefones celulares e computadores – é um item básico da nossa vida cotidiana.”

Em 2014, esperamos uma mudança de prioridades: um foco maior na monetização da mídia social, em conteúdo gerado pelo usuário, na grande aceitação de compartilhamento de informações, e muito mais. Aqui, a IW lança um olhar para as grandes tendências do próximo ano:

1 . As empresas vão aprender a melhor forma de rentabilizar as redes sociais

“A grande pergunta para qual todos querem respostas é como as mídias sociais vão gerar dinheiro, apontou Solis. “Todo mundo pensa que, se essas plataformas não geram dinheiro no início, não são plataformas viáveis, e isso não é verdade.”

Nem o Twitter nem o Facebook fizeram dinheiro no começo, mas o Facebook tem encontrado uma maneira – a cada trimestre – para superar expectativas de receita. E você pode esperar pela frente por novas plataformas sociais para gerar novos fluxos de receita e tentar coisas novas enquanto o setor abre precedentes para formas  melhores de ganhar dinheiro.

2 . Usuários de mídias sociais será confortável partilha mais

À medida que as pessoas começam a viver um estilo de vida digital, elas se abrem e se tornam menos preocupadas com a privacidade. “Nós não perdemos o desejo de ter privacidade. Nós mudamos a proposta de valor do que ela significa. Quanto mais compartilhamentos online e mais pessoas reagirem a eles, o mais seguro você pensa que é continuar a partilhar. ”

Esta é uma boa notícia para o Facebook, que começou a impulsionar os usuários a compartilharem com mais frequência. A rede social recentemente permitiu que os adolescentes compartilhassem posts públicos e removeu uma configuração de privacidade que impede as pessoas de encontrar usuários.

3. Conteúdo gerados por usuário tornou-se mais importante

“O próximo ano será o ano em que varejistas vão brigar pelo conteúdo gerado pelo usuário”, informou o CEO da empresa de análise social Curalate, Apu Gupta.

Espere ver mais iniciativas como a da Urban Outfitters. A varejista incentiva os clientes a tirar fotos de si mesmos em suas roupas e publicá-las no Instagram com certa hashtag. A empresa modera o conteúdo e pega algumas fotos para incluir em uma galeria com links para as páginas onde você pode comprar aqueles looks.

“Não só é o conteúdo gerado livremente pelo usuário, mas eles estão interessados nele porque cada empresa quer medir o ROI do social”, destacou. “Esta é realmente uma maneira fácil e eficaz de fazer isso.”

4 . Google+ ganha impulso

Está se tornando cada vez mais difícil ignorar o Google+, rede social do gigante de site de buscas, comentou o executivo. Considere essa notícia recente: o Google redesenhou a seção de comentários do YouTube, que agora exige que o usuário tenha uma conta Google ou um canal no YouTube para comentar. E no mês passado, a empresa anunciou novos detalhes sobre sua base de usuários, confirmando que agora tem mais de 300 milhões de usuários mensais ativos.

Segundo o especialista, uma razão pela qual o Google+ vai ganhar mais impulso em 2014 é o seu apelo visual.” As marcas adoram o Google+ porque é muito visual e parece que há essa tendência de pessoas caminhando em direção a plataformas onde o conteúdo pode ser expresso em formas muito mais visuais.”

5. Facebook ganha respeito

Depois do fiasco do IPO do Facebook no ano passado, os investidores permaneceram céticos em relação à rede social. Em 2014, isso vai mudar, afirmou Solis.

“O Facebook vai finalmente ser considerado como a plataforma digital poderosa que é. Ele é incrivelmente subestimado porque os investidores não sabem o que fazer com ele, e muitos deles provavelmente nem sequer usam o Facebook, mencionou.

“O mesmo provavelmente vai acontecer com o Twitter. Ele tem um enorme espaço para crescer e, provavelmente, vai seguir o mesmo caminho, como o Facebook. O mercado será um pouco cauteloso e desconfiado de que até ele começar a gerar dinheiro.”

Fonte: it web

Postagens Relacionadas