FEO: Facebook Engine Optimization

feo-facebook-engine-optimization-topo

Hoje, eu (Camila) gostaria de falar sobre uma nova tendência e demanda que seremos obrigados a cumprir: o Facebook Engine Optimization. Sim, penso que esta otimização tenha muito a ver com o nosso velho conhecido SEO, que, segundo Martha Gabriel (em seu excelente livro “Marketing na Era Digital”) “são técnicas e ferramentas desenvolvidas com base no funcionamento dos buscadores de forma a melhorar o posicionamento de sites na busca orgânica”.

Sendo assim, o SEO diz respeito à utilização de técnicas e estratégias para mecanismos de busca, as quais, se aplicadas de forma correta, podem posicionar sites e páginas nas primeiras posições dos mecanismos de pesquisa. O Google e demais buscadores possuem critérios para definir quais sites serão exibidos nas primeiras posições. Sendo assim, a função do profissional de SEO é conhecer estes critérios e realizar ações para que suas estratégias contemplem as demandas dos provedores de busca.

Portanto, se você saber jogar o jogo dos buscadores, certamente terá mais chances de aparecer nas primeiras posições. Obviamente, vários fatores determinam em que lugar as páginas que você otimiza aparecerão, mas de modo simples e direto, trabalhar com SEO é jogar o jogo dos buscadores.

Facebook Engine Optimization

Quando olhamos para o Facebook e o EdgeRank, de certa forma, há uma estreita relação estre os critérios dos mecanismos de pesquisa com o algoritmo da rede. Para quem nunca ouviu falar em EdgeRank, de forma direta, é um algoritmo que o Facebook utiliza para determinar, a partir do nosso comportamento na rede social, o que é mais relevante para nós. Sendo assim, baseado em três indicadores:

  • Afinidade;
  • Peso;
  • Tempo.

O algoritmo define o que veremos em nosso Feed de Notícias e, por isso, ele possui muita semelhança com os algoritmos dos buscadores. Portanto, você também precisa se preocupar em corresponder às demandas do Edgerank, bem como faz com as demandas dos buscadores. Se não aparecer no Google pode ser (com certeza é) ruim para sua empresa, não aparecer no Feed de Notícias dos seus fãs, pode ser tão ruim quanto.

Isso porque, o comportamento das pessoas quando estão no Google e no Facebook são distintos. O tempo de permanência de uma pessoa no Google é menor do que tempo de permanência no Facebook. No Google, se sua empresa não aparece nas primeiras posições, perde uma grande chance de responder às expectativas do seu cliente, que verá nas páginas que aparecem nos primeiros lugares a fonte que precisa.

Já no Facebook, as pessoas tendem a ter um comportamento de relacionamento, interagir mais com marcas e pessoas. Isso, de certa forma, cria empatia e proximidade entre consumidores e empresas. Por isso, estar sempre presente no cotidiano online do seu cliente no Facebook é tão importante quanto ter um bom posicionamento no Google.

Posts otimizados para o Facebook

Devido a esta demanda da ferramenta em ter conteúdo que engaje as pessoas, marcas estão produzindo conteúdo para o Facebook, bem como muitas empresas produzem conteúdo para o Google, com palavras-chave, links e demais estratégias.

Alguns formatos de conteúdo chamam mais a atenção das pessoas e acabam trazendo um excelente engajamento para as marcas, como é o caso do Hotel Urbano e Guaraná Antárctica.

 

A partir deste ponto de vista, conteúdo focado no mecanismo, ou seja, no EdgeRank, é extremamente necessário, se pensarmos na perspectiva técnica. Porém, reitero minha preocupação com o balanceamento adequado entre: conteúdo para o Facebook para gerar engajamento e conteúdo para criar posicionamento de marcas.

Penso que tendo um bom balanço entre os dois, suas estratégias serão mais positivas. Lembre-se: tudo que é demais é prejudicial. Desta forma, conteúdo sem conteúdo pode prejudicar sua marca e conteúdo muito institucional pode prejudicar seu engajamento. Saber fazer os dois andarem juntos com harmonia e resultados é o nosso maior desafio como profissional.

Você está preparado?

Fonte: Imasters

Postagens Relacionadas