• (71) 0000-0000
  • (71) 0000-0000

Aprendi Jquery, e agora?

Achava javaScript difícil e chato, não via nem utilidade. E então foi para o mundo do “Write Less, Do More”, sem ter uma boa base em js. Dependendo do tempo e experiência que você tem em programação, pode saber o que está fazendo, ou não Music iphone for free. Enfim, gostaria de listar algumas coisas interessantes sobre a biblioteca, mas que pelo menos eu, nunca vi sendo discutido por aí…

jQuery é apenas javascript

Isso e nada mais gratis cv downloaden met foto. Se fizeram com a lib, dá para fazer sem. E o mesmo se aplica quando precisamos pensar que a estrutura da sintaxe do jQuery é apenas javascript.

Vamos olhar por partes:

$(document)

Estamos invocando uma função, chamada $, e passando o objeto global document para ela facebook herunterladen für iphone.

.ready()

Agora conseguimos usar um método apartir da função anterior, porque jQuery foi escrito com base em no pattern Fluent Interface spotify or it. O método ready(), aguarda que o DOM esteja pronto. Isso acontece antes do evento window.onload, pois o window.onload espera também que as imagens estejam todas carregadas briefpapier vorlage kostenlos herunterladen. Enqnto o .ready() aguarda apenas a marcação html.

Funções anônimas

Okay, continuando temos sempre um:

function(){ 

}

E o que é isso Ringtone knock? Apenas uma function, só que sem nome.
Estamos acostumados com funções assim:

function a(){}

Sendo “a”, o nome da nossa função java voor mac.

Passamos uma função anônima para o callback do método .ready()! Repare quantas pequenas coisas fazíamos sem notar!

E qual o ponto interessante disso internet explorer herunterladen kostenlos windows 7? O ponto é que podemos fazer o seguinte:

var a = function(){
alert( ‘ae’ );
};
$(document).ready( a );

..que, pelo menos, tecnicamente deve funcionar, certo app zum musik downloaden? Certíssimo, funciona!

Deu na mesma, se tivessemos feito:

$(document).ready(function(){
alert( ‘ae’ );
});

Não estou roubando dropbox auf pc herunterladen. Se fosse um plugin:

var a = function(){
$(‘a[rel*=facebox]’).facebox({
loadingImage : ‘src/loading.gif’,
closeImage : ‘src/closelabel.png’
});
};
$(document).ready( a );

Também continuaria funcionando. Tudo normal.

jSON

Veja que interessante agora, o plugin recebe como parâmetro um objeto javascript. Só que estamos jogando esse objeto diretamente ali. Se por algum motivo tivermos que instanciar novamente o mesmo plugin, já vi códigos assim:

$(‘a[rel*=facebox]’).facebox({
loadingImage : ‘src/loading.gif’,
closeImage : ‘src/closelabel.png’
});
$(‘a#tal’).facebox({
loadingImage : ‘src/loading.gif’,
closeImage : ‘src/closelabel.png’
});

Deve ser evidente a duplicação de instruções. E o que devemos fazer com isso? Juntar em uma só!

Se não pudermos fazer:

$(‘a[rel*=facebox], a#tal’).facebox(

Por qualquer motivo, seja falta de suporte a arrays de objetos do plugin, ou escopos diferentes, podemos dar um nome para esse nosso jSON de configuração, e então enviar ele:

var configs = {
loadingImage : ‘src/loading.gif’,
closeImage : ‘src/closelabel.png’
};
$(document).ready(function(){
$(‘a[rel*=facebox]’).facebox( configs );
$(‘a#tal’).facebox( configs );
});

O bom disso, é que tudo funciona como deveria. Afinal, estamos falando de javascript e a estrutura da linguagem permite essas coisas.

Agora colocando tudo de uma vez:

var configs = {
loadingImage : ‘src/loading.gif’,
closeImage : ‘src/closelabel.png’
};
var a = function(){
$(‘a[rel*=facebox]’).facebox( configs );
$(‘a#tal’).facebox( configs );
};
$(document).ready( a );

Pode estar meio estranho, ou até ilegível, já que não estamos acostumados com isso. É normal a forma com que escrevi, e é exatamente isso que fazemos todos os dias. Só que sem notar. E esse é o problema,somos mais fortes e programaremos melhor, quqnado entendermos cada detalhe do que fizermos.

noConflict()?

Hum… essa parte é interessante!

(function( $ ){
$(document).ready(function(){
alert(‘ae’);
});
})(jQuery);

E o que é isso?

Trata-se de função anônima autoexecutável que recebe o objeto jQuery como parâmetro.

Veja que o argumento é $, então podemos usar esse símbolo normalmente dentro dessa function, sem nos preocupar com conflito, pois externamente a essa function passamos um jQuery e o $ ficou restrito ao escopo dessa anônima.

Clousures é um conceito muito interessante. Vale a pena pesquisar e entender a beleza. Lógico que você não precisa se lembrar de tudo o que eu disse, cada vez que for escrever algo com jQuery.

Mas é melhor saber o que está usando do apenas usar sem saber, não é?!

Fonte: Imasters

Posts Relacionados