Como preparar uma empresa para ser vendida

como-preparar-empresa-vendida-topo

O processo de avaliação do valor de uma empresa, o valuation, é complexo, envolve inúmeras variáveis e depende da criação de cenários e análises de sensibilidade. Do ponto de vista financeiro, não há uma forma única de analisar um negócio para a venda. Contudo, o método mais utilizado é o de Fluxo de Caixa Descontado (FCD).

Em vez de considerar os ativos e passivos de uma empresa e avaliar seu patrimônio, o modelo FCD parte de outro princípio: para que valha a pena comprar um negócio, o que realmente importa é a sua capacidade de gerar resultados no futuro. Veja os três passos para estabelecer o fluxo de caixa descontado:

1. Estimar o fluxo de caixa livre da empresa para os próximos n anos.
2. Determinar o custo médio ponderado de capital da empresa.
3. Calcular o Valor Presente Líquido (VPL) do fluxo de caixa livre, usando o custo de capital como taxa de desconto.

Com os pontos 1 e 2 bem estimados, é possível definir, com razoável grau de precisão, o valor atual da empresa. Para chegar ao fluxo de caixa livre é preciso estimar o lucro operacional futuro (NOPLAT, na terminologia financeira) e retirar os investimentos a serem realizados, seja em necessidade de capital de giro (NCG) ou em capital (CAPEX).

Já o custo de capital é uma combinação ponderada entre o custo do capital de terceiros e do capital próprio, valores que são mais facilmente observáveis. De qualquer forma, valendo-se de premissas para diferentes cenários, o valor da empresa normalmente estará dentro de um intervalo de confiança, que será utilizado como base na negociação de compra e venda.

Vale lembrar que o método FCD não é o único, embora seja o mais utilizado. As empresas podem utilizar a precificação via múltiplos, liquidação e, ainda, tecer considerações sobre os potenciais de sinergias operacionais e financeiras em processos de fusão e aquisição do negócio.

Fonte: Revista EXAME

Postagens Relacionadas