Spamtraps: o que são e como surgem?

o-que-sao-spamtraps-topo

Se você trabalha com e-mail marketing, certamente já ouviu falar dos problemas que um spamtrap pode causar a sua reputação e entrega. Hoje vamos destrinchar um pouco mais este assunto e entender como essas armadilhas podem aparecer em suas listas.

Os spamtraps são criados e-mails pelos próprios provedores (Hotmail, Gmail, Yahoo) com o objetivo de identificar os maus remetentes de e-mail marketing, ou seja, aqueles que enviam spam e não respeitam os usuários.

Existem dois tipos de spamtraps, os reais e os recicláveis. Os reais, são e-mails que, de fato, nunca pertenceram a ninguém. Quando os provedores criam esse tipo de armadilha, fazem com que estes endereços circulem pela internet, mas sem a efetivação de cadastros. Eles ficam expostos (em comentários de sites e blogs, por exemplo) para que os robôs spammers os capturem, assim, ao receberem uma campanha de e-mail marketing neste endereço, o provedor identifica que remetente não está respeitando as boas práticas e enviando campanhas somente para usuários opt-in.

A melhor maneira de evitar este tipo de e-mail em suas listas é adotando o Double Opt-in como sistema de cadastro, já que este método exige a ação direta do usuário, o que confirma sua existência.

Além dos spamtraps reais existe ainda um segundo e tipo, os spamtraps recicláveis. Estes exigem ainda mais cuidado, pois são criados a partir de contas inativas, ou seja, contas de e-mail que já existiram e eram de usuários comuns, mas que deixaram de ser utilizadas por um período de tempo que pode ser de 3 meses ou mais.

Neste caso, o endereço pode mesmo ter pertencido a um usuário que se cadastrou em suas campanhas no passado. Então, a melhor maneira de evitar problemas é monitorar o comportamento de sua base e enviar campanhas apenas para quem interagiu com suas mensagens nos últimos 3 meses.

O uso de spamtraps é apenas uma das inúmeras maneiras que os provedores encontraram para evitar gastos desnecessários e diminuir o número de mensagens irrelevantes. Por isso, seguir o bom senso e as boas práticas continuam sendo as melhores alternativas para alcançar o sucesso com e-mail marketing.

Fonte: Imasters

Postagens Relacionadas